QG Akkari Team

Porque mulheres não tem tanto sucesso no poker

meninasbsop

 

 

 

Na semana passada a Lizia Trevisan fez um comentário tão legal sobre o meu post no blog sobre como é ensinar mulheres no poker que resolvi estender um pouco o assunto.

Segue aqui o comentário dela:

“A passionalidade é uma característica inerente à personalidade feminina, porém não exclusiva. Prova disso é o “Tilt”. Já vi vários depoimentos de homens que quebraram seus notes/computadores após uma bad, mas nunca de uma mulher. A emotividade da mulher está mais ligada à família e relacionamentos. Acredito que as mulheres possuem capacidade superior em absorver variáveis no poker.

Quanto ao número de mulheres bem sucedidas no poker, discordo que decorra da passionalidade. É puramente uma questão matemática. O número de jogadores homens é infinitamente maior que de jogadoras, consequente mais resultados expressivos para eles.

Quanto ao nível das jogadoras, atribuo isso a pouca experiência. As mulheres ingressaram mais tardiamente no poker, mais que natural que muitos homens tenham mais conhecimento e volume de jogo.

O ano de 2013 foi um divisor de águas para o Poker, ganhamos um espaço grande na mídia e o Esporte alcançou muita gente, inclusive as mulheres. Prova disso são os torneios live: no começo do referido ano, em torneios dos Clubes de Curitiba, por muitas vezes era a única mulher no field. No final do ano, a média passou a cinco, em fields de 30/40 players.
Ainda é pouco, mas creio que estamos no caminho certo, ainda mais com iniciativas como do Akkari Team, com turmas exclusivas de mulheres.

Ahh, nunca duvide da intuição feminina! Rsrs”

Para começar eu quero falar sobre algo que muita gente usa de argumento mas que acho que não é muito preciso. O fato de poucas mulheres terem bons resultados no poker porque poucas mulheres jogam.

Todas as comparações desse sentido devem ser feitas de maneira proporcional, e não de maneira absoluta. Se por exemplo 10% do field do BSOP é de mulheres, 10% dos jogadores que chegam em mesa final no longo prazo tem de ser mulheres. Mas não é isso que acontece, se pegarmos aí os últimos 3 anos de BSOP, com 8 torneios por ano, temos 24 etapas com 216 mesa-finalistas totais. E se formos contar quantas mulheres fizeram mesa final, é um fato que é uma porcentagem menor do que deveria. E isso prova que a qualidade do jogo das mulheres no Brasil é na média, pior que a qualidade do jogo dos homens. Negar isso é brigar com os fatos, e brigar com os fatos é o caminho para o fracasso de qualquer jogador de poker. O importante é encarar os fatos, entender pq isso acontece e aí sim trabalhar para melhorar as mulheres como jogadoras de poker.

Alguns motivos para as mulheres terem desempenho inferior a homens na média jogando poker na minha opinião (e aí longe de querer que isso seja verdade absoluta, mas que fica aberto o debate sobre tudo isso) são:

1- Muita gente trata mulher como se fosse café com leite: Quando você está se desenvolvendo como jogador de poker uma parte muito importante é quando criticam jogadas que você faz, pq isso te faz pensar e aprender com pessoas que entendem mais do que você. Mas se ninguém nunca te critica vc tende a achar que está fazendo tudo certo e não evolui. E isso acontece demais, poucas vezes vi algum jogador criticar jogadas de mulheres, sei lá pq motivo, provavelmente pra ficar “bem na fita” com as mulheres, mas o ponto é que não criticam

2-Aqui entra onde discordo mto da Lizia. Claro que homem é mais explosivo, tilta mais, quebra monitor, quebra janela, mas homens na média são mais frios e seguros quando tem que tomar decisões, e poker é isso, um jogo de tomada de decisões. Ontem colocamos nossas meninas do Akkari Team de Janeiro para jogar o Ladies Event do BSOP e o que eu mais vi foram meninas que sabiam tecnicamente que algumas jogadas eram corretas e na hora de fazer a jogada ficavam inseguras e mudavam o plano. Isso é o lado emocional feminino influenciando no lado técnico, como não acontece com muitos jogadores homens ou jogadoras que tem o lado técnico MUITO bem dominado, como citei no post da semana passada a Larissa Metran e a Vanessa Selbst. Jogadas como não roubar blinds com stacks menores que 10bbs, dar raise e foldar para all in de 7bbs. São jogadas que as meninas já sabem que são ruins, mas fizeram mesmo assim por insegurança ou por se questionar demais na hora de tomar decisão, algo que na minha vida fora do poker vi acontecer muito mais com mulheres do que com homens, todo esse questionamento e insegurança.

3-A tal da intuição feminina: Poker é um jogo na sua essência simples, você coloca as pessoas em ranges (grupos de mãos que fazem determinada jogada) baseado em tudo que você já observou delas na mesa, vê o que faz sentido fazer com sua mão contra esse range, encaixa o lado matemático nisso tudo (quantas fichas tem no pot, quantas vale a pena apostar, etc) e faz a jogada. Claro que a evolução disso tudo é muito complexa e a gente fica a vida inteira tentando dominar o negócio e não consegue, mas muita mulher acaba caindo no papo de intuiçao e tenta simplificar um processo que não é feito para ser simples. É para ser metódico e lógico e qualquer tentativa de encontrar um atalho para isso tende ao fracasso, até porque se intuição feminina de fato existisse e funcionasse no poker a gente já teria visto um monte de carreira de mulher no poker decolando, mas não é isso que aconteceu até agora na história do poker.

 

Essa é minha opinião é algo que eu compartilhei com as meninas do Akkari Team Micro na primeira reunião que tive com elas, e compartilho agora com todas que estão lendo meu blog.

Então para mim, o caminho do sucesso pras meninas no poker é o mesmo caminho do homens. Muito estudo para dominar a parte técnica, desenvolver lógica e raciocínio, entender pessoas e criar confiança para executar todas as jogadas, desde as mais simples como um roubo de blind até as mais complexas como transformar uma mão em blefe.

 

Agora para não falar que só critiquei, as mulheres tem uma qualidade que os homens não tem e percebemos demais isso no Akkari Team esse mês. Elas são extremamente organizadas e dedicadas, são pelo menos umas 5x mais organizadas que qualquer turma do time Micro que já passou pelo nosso QG em Cabreúva, e isso é muito importante, pq na nossa visão uma boa parte do sucesso de um jogador vem de quanto ele é dedicado, se esforça em partes não tão glamourosas do jogo como estudo, session review e tal. E tenho visto isso mto nas nossas meninas, e fico muito orgulhoso pq sei que essa é a base de uma carreira bem sucedida no poker, o resto, estudo, experiência e confiança, vem com o tempo.